ECONOMIA CIRCULAR DÁ PRIMEIROS PASSOS EM PAULO AFONSO – BA

26/04/2024

O Projeto Hidrosinergia segue desbravando o sertão brasileiro em busca de iniciativas inovadoras e sustentáveis para firmar parcerias em prol de um  Nordeste mais sustentável, criativo e fortalecido!

No dia 15 de Março de 2024, fomos a Paulo Afonso na Bahia, e conhecemos as mulheres do Costurando Talentos, que desenvolvem um trabalho focado no empoderamento feminino e na geração de renda e incentivo ao aprendizado, através da produção de itens para o dia-a-dia das famílias, como artigos de limpeza e acessórios como bolsas, carteiras e organizadores, através de sobras industriais da indústria gráfica e de plásticos.

A professora Mércia Rejane Campos é voluntária do projeto e enfatiza a importância desta iniciativa, por cumprir um papel social e ecológico: “as mulheres que chegam até aqui para aprender saem da sala de aula mais independentes financeiramente, e com mais conhecimento acerca do que é o consumo consciente, o que é e por que a reciclagem é importante, como otimizar nossos recursos sem agredir o nosso bioma… elas acabam multiplicando esse conhecimento em casa, o que faz com que isso se espalhe pela comunidade de forma orgânica.”

Na ocasião, foi firmado um termo de parceria para a introdução do Sistema Digital de Economia Circular – em parceria com a prefeitura de Paulo Afonso e a UNIRIOS – Centro Universitário do Rio São Francisco. Juntamente com a Prefeitura de Paulo Afonso e a UNIRIOS,  este projeto socioambiental será  um dos elos de implementação do Eixo de Economia Circular do HidroSinergia na região.

A ideia é criar um modelo econômico inclusivo e regenerativo de coleta seletiva, reciclagem e “indústria reversa”, usando o App Circularis como base de integração com a população, o comércio local, as indústrias  (compradoras de materiais recicláveis) e canais educativos (tendo a UNIRIOS como base de produção de conteúdos educativos).

Dessa maneira, é possível criar uma metodologia que gere resultados rápidos e seja replicável em larga escala, otimizando tempo e recursos para aproveitar materiais que seriam descartados na fabricação de novos itens, monitorando o avanço de processos regenerativos e gerando dados que possam mensurar o alcance e os resultados desta política mais ética com meio ambiente e a população.